Juventude e transformação social. Foto:Edson Leal

Brasília, 28 de abril - Juventude é o tema de artigo do deputado Cristiano Araújo (PTB), que entrou na política aos 23 anos. Para ele, os jovens do Brasil estão "abandonados": "Faltam oportunidades, cursos de qualificação, emprego e atividades culturais". Ele aponta momentos em que a mobilização juvenil fez história e defende uma maior participação do segmento na política. "A juventude precisa entender e abraçar o poder que tem de decisão e influência no Parlamento, na criação de leis, ideias e ações políticas", afirma. 

A juventude brasileira precisa e deve ser protagonista do desenvolvimento deste País. Como um jovem político, que entrou neste caminho árduo, mas gratificante, aos 23 anos, confesso que os jovens foram esquecidos e abandonados. Faltam oportunidades, cursos de qualificação, emprego e atividades culturais.

O jovem deve ser motivado, encorajado a lutar e a acreditar em seu alto poder de formador de opinião e agente transformador da sociedade. O sucesso é consequência de uma grande luta.

É possível citar exemplos claros em momentos da história em que os mais novos guiaram e trilharam o caminho a seguir, como o inesquecível embate dos Caras Pintadas, movimento que aconteceu em 1992, após denúncias contra o então presidente Fernando Collor, liderado pelos estudantes. No ano passado, durante as manifestações, os jovens voltaram a demonstrar sua força ao povo brasileiro.

Brasília, uma cidade jovem, não pode ser deixada de lado e precisa de seus filhos para construir um futuro com dignidade. Cerca de 250 mil jovens, com idade entre 16 e 24 anos, estão desempregados. A falta de experiência é a principal justificativa das empresas em uma cidade voltada para o setor público. Falta educação integral, cursos técnicos, incentivo para o primeiro emprego, atividades socioeducativas.

Diante disso, faço um convite à juventude: sejam líderes, discutam política e reflitam sobre tudo que ainda precisa melhorar. A lei contra o bullying nas escolas, de minha autoria, ajudou a romper barreiras e quebrar preconceitos. O jovem precisa de carinho, de respeito.

A Carreta da Juventude, um projeto que apoio, já proporcionou a mais de dois mil jovens a possibilidade de gravar músicas, se apresentar em palcos artísticos e rodar um videoclipe. Uma economia de R$ 10 mil reais que motiva os jovens músicos a não desistirem de seus sonhos.

O rodeio realizado no fim de março, em comemoração ao aniversário da cidade do Riacho Fundo I, reuniu mais de 20 mil pessoas, sendo a maioria jovens. Não houve uma ocorrência policial sequer. O jovem motivado com atividades, shows, festas e oportunidades se afasta das drogas e da violência. O jovem sonha e busca ser melhor para construir sua família, ajudar outras pessoas e transformar a sociedade.

A criação do Programa de Estruturação Sócio Cultural Cristiano Araújo (Pescca), no início do mês, em Samambaia, já conta mais de 200 integrantes.  As crianças e os adultos estão cada vez mais afastados da sociedade e da política e essa situação precisa mudar. Esse programa sociocultural vem para motivar a todos, a partir de atividades e eventos culturais. É uma forma diferente de ver a política, em que é preciso participar para poder cobrar.

Muitos desses jovens nunca tiveram um contato com a política. A juventude precisa entender e abraçar o poder que tem de decisão e influência no Parlamento, na criação de leis, ideias e ações políticas. Um parlamentar só trabalha se tiver público para defender e lutar em conjunto com causas, ao lado da vontade dos jovens em mudar o país e construir sua história.

Fonte: Site da Câmara Legislativa do Distrito Federal